IV Encontro Regional de Ensino de Biologia

A profissão professor de Ciências e Biologia: ventando possibilidades em f(r)estas
 24/08/2017 - 08:00 até 26/08/2017 - 22:00
   4erebioufu@gmail.com

Apresentação

O IV Encontro Regional do Ensino de Biologia é um evento periódico da Regional 4 da Associação de Ensino de Biologia-SBEnBio, que foi criada em 1997 no VI Encontro Perspectivas do Ensino de Biologia-EPEB na Faculdade de Educação da USP. A SBEnBio é uma associação civil, sem fins lucrativos e de caráter científico e cultural que tem por finalidade promover o desenvolvimento do ensino de Biologia e da pesquisa em ensino de Biologia entre profissionais deste campo do conhecimento.

 

O Encontro da Regional 4 circula entre as universidades dos estados de Minas Gerias, Goiás, Tocantins e Distrito Federal e o IV Evento será realizado na Universidade Federal de Uberlândia nos dias 24, 25 e 26 de agosto de 2017. A temática que permeará todo o evento foi pensada a partir da conjuntura política nacional em relação as políticas públicas em educação, de como em tempos de crise é necessário pensarmos na análise da conjuntura sem esmorecer, buscando nas brechas e frestas o colorido para deixar viva a Educação, a Educação em  Biologia. A profissão professor de Ciências e Biologia: ventando possibilidades em f(r)estas norteará a 4a. edição do EREBIO da Regional 4.

Programação

Palestrantes

Graduei-me em Biologia pela Universidade Federal de Viçosa realizando mestrado e doutorado em Educação pela Universidade E

Reitor da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Doutor pela Universidade Católica de Louvain. Pós-doutorado na Universidade de Genebra.

Possui graduação (2002) em Design Gráfico pela Universidade Estadual de Londrina, mestrado (2005) e doutorado (2013) em Ar

Possui graduação em Química: Licenciatura e Bacharelado pela Universidade Federal de Uberlândia (1997).

É professora doutora do Departamento de Saúde Ambiental da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP).

Inscrições

Custo do evento: 
Evento pago
Período de inscrições: 
06/04/2017 - 00:00 até 23/08/2017 - 23:45

Até dia 18/05/2017

Sócio

Não sócio

Estudante de Graduação

R$ 35,00

R$ 40,00

Graduados, estudante de pós-graduação, outros profissionais.

R$ 45,00

R$ 60,00

Professores da Educação Básica

R$ 45,00

R$ 60,00

Professores Universitários

R$ 70,00

R$ 180,00

Após dia 18/05/2017

Sócio

Não sócio

Estudante de Graduação

R$ 40,00

R$ 55,00

Graduados, estudante de pós-graduação, outros profissionais.

R$ 60,00

R$ 75,00

Professores da Educação Básica

R$ 60,00

R$ 75,00

Professores Universitários

R$ 120,00

R$ 235,00

 

Os resultados e pareceres estarão disponíveis no link do sistema de inscrições (https://sistemas.fau.org.br/participante/index.xhtml?idevento=238)

A versão final do trabalho deve ser enviada para o e-mail trabalhos4erebio@gmail.com até o dia 20 de julho!
Lembrando que essa versão corresponde a adição dos nomes dos(as) autores(as) e coautores(as) no texto. As normas de formatação estão no site do evento! 

 


NORMAS PARA ENVIO DOS TRABALHOS IV EREBIO*

 

 Realização de inscrição e envio de trabalhos:

1) O participante deverá entrar no link do sistema de inscrição do evento: 

https://sistemas.fau.org.br/participante/index.xhtml?idevento=238

2) Inserir e-mail e criar uma senha para acessar o sistema de inscrições

3) Realizar o Cadastro

4) Gerar Boleto Bancário

5) No campo “Trabalhos” do menu principal, clicar em “Adicionar Trabalho”

6) Preencher o campo “Título do Trabalho” com letras maiúsculas

7) Selecionar a opção de modalidade de apresentação (Ateliê de Criação ou Roda de Conversa) e o Eixo Temático

8) Anexar arquivos em doc.

 

Após clicar em "Gerar Boleto", clique em "Boleto Bancário" para acessar o mesmo. Indicado pela seta vermelha na imagem.
 

 

 


Os EIXOS TEMÁTICOS do evento são:
 

1. Currículo e Disciplina Escolar Ciências e Biologia

2. Estratégias, Materiais e Recursos Didáticos na Educação em Ciências e Biologia

3. História, Sociologia e Filosofia da Ciência na Educação em Ciências e Biologia

4. Políticas educacionais na Educação em Ciências e Biologia

5. Formação de professores de Ciências e Biologia

6. Relações entre Educação, Ciências, Biologias e Culturas

7. Linguagens, Discurso e Educação em Ciências e Biologia

8. Educação em Ciências e Biologia em espaços não escolares e Divulgação Científica

9. Educação Ambiental

10. Corpo, Gênero e Sexualidade

 


 

Leia com atenção as instruções a seguir para envio de trabalhos:

Modalidades:

 

1. RODA DE CONVERSA

Na modalidade Roda de Conversa serão apresentados Pesquisa e Relatos de Experiência: supõe escrita, descrição e reflexão acerca de uma experiência docente ou pesquisa com dados coletados relacionadas ao tema central e aos eixos temáticos do evento, indicando o que esta representou para os sujeitos envolvidos. Na Roda de Conversa, a proposta é que um dos autores apresente seu trabalho de forma livre, sem o uso de equipamentos (como data show, banners, etc) em até 10 minutos, para que sejam possíveis entrelaçamentos e discussões com trabalhos e experiências dos demais autores e participantes da Roda. Com o intuito de contribuir para o debate, é livre o uso de materiais como fotografias, desenhos, pequenos textos, sendo que estes devem ser de inteira responsabilidade do autor.

 

Normas de formatação dos trabalhos

1) Serão aceitos trabalhos em português, inglês e espanhol. 

2) O texto completo, com título, resumo, palavras-chave e referências deve ter entre 5 e 8 páginas, sem identificação do(s) autor(es). Deve ser editado em fonte Times New Roman tamanho 12, espaçamento entre linhas 1,5, folha A4, margens 2,5 e alinhamento justificado. Os arquivos deverão ser anexados ao sistema no formato .doc e nomeados da seguinte forma: rodadeconversa.doc. Somente arquivos em .doc sem senha poderão ser anexados.

3) O resumo no texto completo deve ter o mínimo de 600 caracteres e o máximo de 800 caracteres com espaço. Editado em fonte Times New Roman tamanho 12 e espaço simples. Seguidos de 3 (três) palavras-chave.

4) O título do trabalho deve estar com todas as letras maiúsculas, centralizado e em negrito.
 

Atenção: Em caso de aceite, será necessário o reenvio do trabalho com identificação do autor e co-autores.

O nome do(s) autor(es) deve aparecer na(s) linha(s) abaixo do título (um autor por linha), seguido(s) da instituição dos autores, fonte de financiamento (se houver) e e-mail do(s) autor(es). Alinhamento a direita.

 

 

2. ATELIÊ DE CRIAÇÃO

Ateliê de Criação se propõe a ser um espaço dedicado à exposição de materiais didáticos, instalações, fotografias, filmes, dentre outras produções artísticas realizadas por professores e pesquisadores da área. As produções devem estar relacionadas com o tema central do evento e com algum dos seus 10 eixos temáticos.

 

Normas de formatação dos trabalhos

1) Serão aceitos trabalhos em português, inglês e espanhol.

2) O trabalho a ser enviado para avaliação do comitê científico deve estar relacionado a um dos dez eixos temáticos do evento, devendo ser elaborado na forma de resumo.

3) O título do trabalho deve estar com todas as letras maiúsculas, centralizado e em negrito.

4) O arquivo com o trabalho deve ser enviado em formato doc,  sem a identificação do(s) autor(es) e ser nomeado da seguinte forma: atelie.doc. Somente arquivos em .doc sem senha poderão ser anexados.

5) O resumo deve conter de 1800 a 4000 caracteres (incluindo espaços), fonte Times New Roman tamanho 12, espaçamento entre linhas 1,5, folha A4, margens 2,5, alinhamento justificado e parágrafo único.

 

Atenção: Em caso de aceite, será necessário o reenvio do trabalho com identificação do autor e co-autores.

O nome do(s) autor(es) deve aparecer na(s) linha(s) abaixo do título (um autor por linha), seguido(s) da instituição dos autores, fonte de financiamento (se houver) e e-mail do(s) autor(es). Alinhamento a direita.

 

Observação:

– Cada trabalho submetido poderá ter no máximo cinco autores.

– Cada autor poderá submeter no máximo 2 trabalhos, seja como roda de conversa ou ateliê de criação.

– Dúvidas entrar em contato através do email: 4erebioufu@gmail.com

 

* Os certificados estarão disponíveis no site do evento.

 

Localização

Rua Ceará, 1720 - Instituto de Biologia - Uberlândia - 38405-320
Campus Umuarama - Bloco(s) 8C e 2A

Submissão de Trabalhos

Edições Anteriores

Dicas de Hospedagem

 

O evento irá acontecer na Universidade Federal de Uberlândia - Campus Umuarama!

As opções de hospedagem mais próximas ao campus são:

Hotel Umuarama
Rua Rio Grande do Norte, 2750 - Umuarama, Uberlândia - MG
47 Aptos
Apto Single R$ 95,00 / Apto Double R$ 130,00 / Apto Triple 180,00 / Apto Quadruplo 220,00
Tel. (34) 32121322
Desconto para integrantes do evento a depender do número de reservas.

Carlton Plaza
Av. Antônio Thomaz Ferreira de Rezende, 160 - Uberlândia - MG
61 Apto
TRF Final de semana: Apto Single R$ 115,00 / Apto Double R$ 139,00 / Apto Triple 169,00 / Apto Quadruplo 199,00
Tel. (34) 32336300
Desconto para integrantes do evento a depender do número de reservas. Tratar com Josibel.

Hotel das indústrias* 
Rua Dr. Luiz Antônio Waack, 400 - Marta Helena, Uberlândia - MG
19 Apto
Apto Single R$ 80,00 / Apto Double R$ 140,00
Tel. (34) 32371612
*Trajeto até a Universidade com pouca segurança

Pousada Dona Zilá
40 Aptos - 2 camas por quarto
R$ 50,00 diária
Tel. (34) 32137205 / (34) 996504131
 


Como o bairro não oferece muitas opções de hospedagem, indicamos também hotéis no Bairro Santa Mônica próximos ao Campus Santa Mônica da UFU. A mobilidade com ônibus na cidade é relativamente boa e explicaremos como chegar ao local do evento a partir do Centro e do Bairro Santa Mônica na aba "Como Chegar".

Hostel Porto Sem Fronteiras
R. Izaura Augusta Pereira, 296 - Santa Mônica
Mais informações: https://www.facebook.com/hostelbedandbreakfast.portodlafronteira
https://www.airbnb.com.br/rooms/2927687

Hotel Ibis Uberlândia 
Av. João Naves de Ávila, 1590 A
Mais informações: http://www.ibis.com/pt-br/hotel-6523-ibis-uberlandia/index.shtml

Sanare Hotel
Av. João Naves de Ávila, 2350
Mais informações: https://www.tripadvisor.com.br/Hotel_Review-g303400-d4931297-Reviews-San...

Hotel Mercure Uberlândia Plaza Shopping
Rua da Bandeira, 400
Mais informações: http://www.mercure.com/pt-br/hotel-9602-mercure-uberlandia-plaza-shoppin...

Uberpalace Hotel

Av. João Naves de Ávila, 1200
Mais informações: http://www.uberpalace.com.br/

EXECUTIVE INN HOTEL

SINGLE – R$ 190,00

GRAN EXECUTIVE HOTEL

SINGLE – R$ 200,00

Ambos estão incluso café da manhã, wi-fi e estacionamento.

O Gran Executive é recém inaugurado, hotel padrão 4 estrelas com piscina e academia própria. Os quartos são padronizados de piso frio, TV LCD 40 polegadas com canais à cabo, frigobar, ar condicionado, cortinas black-out e janelas anti ruídos. Contamos também com serviços de lavanderia e restaurante à la carte 24 horas.
 


Estamos organizando e logo mais teremos informações sobre hospedagem solidária!

Como Chegar

Aos que vão se hospedar no bairro Umuarama já estarão pertinho de nós. Mas para quem for se hospedar em outros bairros, indicamos alguns trajetos de ônibus que vão para a UFU - Campus Umuarama:

Saindo do Terminal Central

T121 - (Um detalhe mega importante desse ônibus: pegue ele no fim da plataforma "B". Ele vai para outros lugares quando chega ao terminal e para logo no começo da plataforma. Aconselhamos que perguntem a alguém que o está esperando se ele vai para o Umuarama caso bata aquela dúvida).

  •  Já dentro do ônibus, vez ou outra cheio, ele irá subir bastante a Avenidade Afonso Pena. Virará à esquerda. Depois de alguns quarteirões à direta. Você estará na Avenida Brasil. Indicamos que desça no 3ª ponto dessa avenida, logo após um posto de gasolina na esquina. O Campus Umuarama estará à esquerda. Suba alguns quarteirões da Rua Acre. Você estará no Campus Umuarama!  

 

T120 - 

T122 -

Saindo do Bairro Santa Mônica

I232 - 

T132, T101 e T103 - 

Outras Informações

MINICURSOS

1 - Corpos-Transexualidades-Educações: experimentações, potências e profanações de linhas duras do Ensino de Biologia

Ministrante: Prof. Dr. Sandro Prado Santos (Doutorando em Educação - PPGED/UFU – Professor  da Faculdade de Ciências Integradas do Pontal – UFU/Ituiutaba)

Descrição: Este minicurso busca provocar olhares para as práticas educativas no Ensino de Biologia com as transexualidades, ventando possibilidades em f(r)estas. Por meio da experimentação de algumas mídias, pretendemos transvalorar práxis e usos colonizadores do Ensino de Biologia dito maior, que proscreve os corpos do território da experiência, circunscrevendo-os numa organização estrutural orgânica, negativa seus movimentos mediante a toda antecipação de uma significação última, original e almejada essência substancial, a fim de irrompermos (in)assimilavelmente com violência (in)destrutiva sobre os saberes já sabidos ou já consolidados do Ensino de Biologia. Mais especificamente, as produções “Amanda e Monick”, “Vestido novo”, “Ser mulher”, “Eu sou homem”, “De gravata e unha vermelha”, e outros intercessores emprestados da filosofia da diferença e estudos culturais, que potencializaremos a experimentação, borrando fronteiras, provocando abalos no território das explicações biológicas e linhas de fuga, furos no Ensino de Biologia, em ações que abrem territórios outros com algo de novo para fazer e pensar.

 

 

2 - Educação e Permacultura

Ministrante: Ana Clara Queiroz (Bacharel e licenciada em Biologia pela Universidade Federal de Uberlândia. Designer em Sustentabilidade e em Permacultura pelo Programa Gaia Education (UNESCO/ONU). Atua no projeto Pesca Sustentável na Amazônia pela UNESCO. Atualmente, leciona no sistema prisional pela Secretaria de Educação do Distrito Federal (SEDF) e mora em uma comunidade-escola de Permacultuta em Brasília, onde vive e estuda o tema).

Descrição: No início do mini-curso, serão apresentados, de maneira sucinta, conceito e algumas ferramentas da Permacultura para contextualizar os cursistas que não estão familiarizados com esta cultura. A seguir, a proposta é apresentar escolas e educadores que se destacam dentro desse cenário (como Thiago Berto, Fritjof Kapra, Jósé Pacheco, Escola Florestan Fernandes, Cidade-Escola Ayni etc.). A partir daí, direcionar o debate de modo a promover questionamentos e reflexões sobre as estratégias da Permacultura que podem nos ajudar a superar os desafios da escola tradicional e fortalecer as conexões dos seres humanos entre si e com a Terra.

 

 

 

3 - Projetos interdisciplinares em Ciências da Natureza no contexto do uso de mídias nos processos educativos

Ministrantes: Profª  Dr. Claudia Amoroso Bortolato (Doutorado em Educação em Ciências – Pequisadora do grupo de Pesquisa Práticas Curriculares e Narrativas Docente – Faculdade de Educação/UNICAMP); Profª  Ms. Jacqueline de Oliveira Veiga Iglesias (Doutoranda na Faculdade de Educação da UNICAMP); Profº  Ms. João Henrique de Cândido Moura (Doutorando na Faculdade de Educação da UNICAMP. Professor do IFSP – Instituto Federal de São Paulo, campus Registro).

Descrição: A partir dos estudos da História das Disciplinas Escolares e Teorias de Currículo, serão discutidas questões sobre interdisciplinaridade e as propriedades do uso de mídias na sala de aula, trazendo os professores como sujeitos da experiência e narradores que constituem suas práticas por meio de diferentes táticas. No conjunto de tais pesquisas, pretende-se também focalizar os resultados advindos de investigação que mapeia os movimentos em torno da formação disciplinar/interdisciplinar. 

 

 

 

​4 - Sexualidade e Gênero – o que venta no mundo, nas ruas, nas escolas

Ministrantes: Fátima Lucia Dezopa Parreira (Doutoranda PPGED/UFU - Profa. da Rede Pública Estadual - Uberlândia – MG); Karyne de Oliveira Martins (Graduanda Ciências Biológicas INBIO/UFU – Bolsista PIBID/UFU); Maynara Santana Gonçalves (Graduanda Ciências Biológicas INBIO/UFU – Bolsista PIBID/UFU); Yulnak Tito Kadiwel (Graduanda Ciências Biológicas INBIO/UFU – Bolsista PIBID/UFU); Roberta Paixão Lelis da Silva (Graduanda Ciências Biológicas INBIO/UFU – Bolsista PIBID/UFU) 

Descrição: As sexualidades ventam em f(r)estas. Assim como em variados espaços da convivência humana, na escola, as sexualidades se manifestam e não se descolam das pessoas e dos fazeres pedagógicos, profissionais e de lazer. Entendemos que seu apagamento implica no silenciamento da própria condição de existência das pessoas e aponta para possibilidades múltiplas de violências, na escola e para além dela. Nesse sentido, causam-nos inquietação os ataques velados ou claramente colocados que a educação escolar sofre, ao desafiar preconceitos e trazer tais questões para o debate com os/as estudantes. Ataques estes que partem de segmentos conservadores da sociedade, como grupos religiosos com representação política nos três poderes (executivo, legislativo e judiciário). Este minicurso propõe pensar a escola como espaço de discussão de sexualidade, sexo e gênero, numa abordagem que envolve além da biologia, a história e a cultura, ressaltando a importância da participação popular na luta em defesa dos direitos e garantias fundamentais das pessoas. No contexto da formação docente em ações na escola de educação básica, o PIBID torna-se um dos espaços onde essas reflexões são possíveis.

 

 

5 - A beleza em ensinar Biologia Vegetal

Ministrante: Ma. Luciana Nascimento Custódio (Professora da rede municipal de Uberlândia, Mestre em Ecologia/UFU, doutoranda em Educação/UFU)

Descrição: Vivemos mergulhados em universo botânico, nos alimentamos, nos vestimos, nos medicamos, nos conectamos com o belo e com a harmonia pelos campos, nos jardins, nas ruas e casas que cultivam plantas. Mas, muitas vezes quando queremos ensinar sobre o mundo vegetal, nos perdemos em meio a nomenclaturas e classificações que acabam por distanciar esse conhecimento de nossa realidade nos desmotivamos. Esse mini curso se propõe a socializar um pouco do que conhecemos e já realizamos com nossos estudantes sobre a Botânica na Educação Básica. Vamos trocar nossas expectativas sobre  como desenvolver temas como a morfologia vegetal, ou mesmo a identificação de plantas de uma forma mais interativa e prática. Público-alvo: professores da Educação Básica e licenciandos. Com dinâmicas, metodologias e técnicas laboratoriais simples, com materiais de baixo custo, vamos juntos explorar e orientar nossos estudantes a conhecer mais sobre o Reino Plantae.

 

6 - Desde o sul: pedagogia decolonial

Ministrantes: Aline Neves Vieira de Santana; Elisandra Carneiro de Freitas

Descrição: Explorar os conceitos iniciais da teoria decolonial para inserir a pedagogia decolonial dentro deste e, realizar uma breve discussão de relação com os Direitos Humanos e Educação. Diálogo problematizador com a utilização de recursos audiovisuais.

 

 

7 - Bagagem Poética: experimentações pedagógicas por meio das zines
 

Ministrantes: Alexis F.S. (Bacharel em Artes Visuais - UFU e Técnico em Arte e Tecnologia do curso de Dança – UFU); Emyli de Sousa (Estudante de psicologia - UFU e professora de Yoga)

Descrição: Com base em um mecanismo de impressão itinerante, o Bagagem Poética é um projeto que se dedica a realizar oficinas de criação literária e visual nos mais diferentes espaços. O produto dessas oficinas são as zines, que se tratam de publicações impressas baratas e de fácil distribuição. Com inspiração no movimento punk, as zines permitem a experimentação de uma forma de produzir ao mesmo tempo criativa e libertária. Nessa oficina, compartilharemos brevemente a experiência do projeto em diversas escolas e espaços culturais na cidade de Uberlândia e será abordada a utilização das zines como instrumento de aprendizagem e estímulo ao pensamento crítico.

 

 

- Formação de professores: mais do que um dedin de prosa!

Ministrantes: Inez Reptton Dias (Doutoranda em Educação- Programa de Pós-graduação em Educação Universidade Federal de São Carlos); Tassya Emilia Porto Bernardo (Mestranda em Educação- Programa de Pós-graduação em Educação Universidade Federal de São Carlos).

Descrição: Dedin de prosa é uma expressão do cotidiano mineiro, utilizada quando se quer conversar sobre algum assunto com alguém próximo. Nessa ocasião, lógico sempre há aquele que motiva a conversa e o outro que quer saber mais sobre o assunto. Bom seria se assim, como nos lares tradicionais de Minas Gerais a conversa fosse acompanhada de um café fresco e um pedaço de queijo meia-cura. Será esse o caso? Talvez! A proposta, a princípio, é discutir alguns aspectos inerentes à aprendizagem docente e ao desenvolvimento profissional dos professores, além dos conceitos de profissionalismo, profissão e profissionalidade. Isso segundo estudos do campo teórico de formação de professores desenvolvidos por autores como: Flores (2014); Passos (2012); Nóvoa (2009); Freitas e Galvão (2007); Freitas e Villani (2002), dentre outros. No entanto, no caso desse minicurso, aquelas que se propõe a motivar a conversa sobre a formação de professores e atuação didático-pedagógica, pensam no tal dedin de prosa como oportunidade para problematizar a articulação entre formação de professores, início de carreira e desenvolvimento profissional docente. O ponto de partida concentra-se nas experiências formativas e profissionais de professores de Biologia e Ciências na Educação Básica. É importante salientar que não se pretende aqui esgotar o assunto. Como nas boas conversas sempre cabe mais alguém para conversar a respeito. Dessa forma, fica aqui o convite de duas (não mineiras) para refletirmos sobre o que “faz um bom professor ser um bom profissional”!

 

 

9 - O Ensino de Evolução nas Escolas: Conhecimento Científico versus Conhecimento Religioso

Ministrante: Profa. Ma. Simone Gomes Firmino (Licenciada em Biologia e Mestra em Educação em Ciências e Matemática pela Universidade Federal de Goiás. Professora do Instituto Federal Goiano - Campus Ceres)

Descrição: O foco do minicurso é refletir sobre o Ensino de Evolução nas escolas, e por sua vez, ressaltar a importância dos conceitos científicos sobre Evolução biológica. A discussão também tem como objetivo principal, levantar críticas e reflexões sobre a abordagem ou não do conhecimento religioso dentro de sala aula. Uma vez que, constitucionalmente, a escola deve ter uma representação laica perante a sociedade. Nesse sentido, os embates sobre Conhecimento Científico versus Conhecimento religioso, serão problematizados, na tentativa de demonstrar a importância dos conceitos científicos, porém, sem transformar a ciência em convicções dogmáticas.

 

 

10 - Reencantar a ciência, reinventar a docência: possibilidades outras a partir história da Biologia

Ministrante: José Firmino de Oliveira Neto (Mestre em Educação em Ciências e Matemática Universidade Federal de Goiás, Departamento em Educação em Ciências)

Descrição: A proposta aqui apresentada justifica-se pela observação de um Ensino de Ciências/Biologia desenvolvido de forma a-histórica, a-crítica e descontextualizada. Neste sentido, a produção e utilização de modelos científicos, relacionados aos elementos da História da Ciência, se constituem enquanto uma possibilidade integradora e contextualista, objetivando um ensino que perpasse não só o campo “das”, mas também o campo do “em” e “sobre” as Ciências, nos seus mais diversos contextos (social, filosófico, histórico, ético e tecnológico). Empregar-se-á para realização do minicurso o diálogo com base freiriana, visando (re)construir subsídios teóricos-metodológicos que levem os participantes a compreensão da importância da inserção da História da Ciência nas aulas de Ciências/Biologia. Para tanto, fazer-se-á uso de dinâmicas e leituras de fragmentos de distintos textos, bem como a construção de modelos de DNA a partir de elementos históricos.

 

 

11- Fanzines e ensino de biologia

Ministrante: Hylio Laganá Fernandes (Licenciado em Ciencias Biológicas pela USP São Paulo (1989), mestre em Psicologia pela USP São Paulo (1997) e doutor em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (2005). Atualmente é professor Associado na Universidade Federal de São Carlos; docente do Programa de pós-graduação em Educação (PPGEd - UFSCar-Sorocaba), líder do grupo de pesquisa “Imagens em Ação”, coordenador do programa de extensão “Formação e aperfeiçoamento de Educadores” (UFSCar) e editor da revista de divulgação científica e cultural GIBIOzine (ISSN 1984-610X).

Descrição: Os fanzines podem ser consideradas revistas independentes, produzidas por fans de determinado assunto e que podem inclusive atuar como fontes de informação imagética para o ensino e a divulgação científica (DC). São obras autorais que refletem condições idiossincráticas de quem as produz, geralmente enfocando temas específicos, produzidos individual ou coletivamente,  mas sobretudo valorizando a criatividade. A proposta desse minicurso é apresentar e discutir o fanzine na perspectiva do ensino/DC de biologia, destacar a importancia da criatividade nos processos educativos (escolares e não-escolares) e propor uma ação criativa prática com o objetivo final de produção de um fanzine coletivo. Espera-se ampliar possibilidades de ensino e aperfeiçoar inteligências criativas dos participantes.


 

 

OFICINAS

1 - Genética no ensino fundamental: uma proposta lúdica para se trabalhar com cruzamentos genéticos

Ministrantes: Me. Ariane de Souza Siqueira; Me. Vanessa Fonseca Gonçalves (Docentes do Colégio de Aplicação – Escola de Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia – CAp ESEBA UFU)

Descrição: A Genética é um dos ramos da Biologia que desperta grande interesse e curiosidade nas pessoas. Entretanto, pouco da informação sobre essa ciência chega ao conhecimento popular de uma forma simples e compreensível. Situação que se repete nas salas de aula, essencialmente, na educação básica. Para colaborar com a mudança desse cenário, este trabalho tem como objetivo apresentar uma proposta de ferramenta lúdica de fácil confecção, aplicação e de baixo custo, para contribuir com o processo de ensino-aprendizagem de estudantes do ensino fundamental, a respeito dos cruzamentos genéticos envolvidos nas heranças monogênicas.

 

2 - Seleção Natural, Grupos Sanguíneos e Cromossomos Homólogos: atividades experimentais como estratégias didáticas de Ciências e Biologia

Ministrantes: Me. Silvana Aparecida Gonçalves da Mota (Mestre em Educação pela UFU. Professora de Ciências da Educação Básica -  Uberlândia - MG); Profa. Dra. Daniela Beraldo Barbosa (Doutora em Educação. Professora de Ciências da Educação Básica – Prefeitura de Uberlândia - MG).

Descrição: Considerando a importância das atividades práticas no processo de ensino e aprendizagem de ciências e biologia e o papel do professor como mediador nesse processo, esta oficina propõe a abordagem de três temas (Seleção Natural, Grupos Sanguíneos e Cromossomos Homólogos) a partir da realização de atividades experimentais junto aos participantes e da discussão sobre as possibilidades e limitações da execução dessas atividades e sobre a atuação do professor nesse contexto. Nossa proposta é realizar atividades experimentais inseridas nos conteúdos de Ciências e Biologia, discutir possibilidades e limitações de sua realização, compartilhar estratégias para aplicação das atividades, refletir sobre o papel do professor nesse contexto e promover troca de vivências entre os participantes.

 

3 - Ficções proliferando vidas

Ministrantes: Prof. Dr. Eduardo Silveira (Doutor em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina – Professor do Instituto Federal de Santa Catarina); Prof. Dr. Leandro Belinaso Guimarães (Doutor em Educação pela UFRS – Professor da Universidade Federal de Santa Catarina)

Descrição: É com a voz calma de quem já viveu muitos sertões que Riobaldo, personagem de João Guimarães Rosa em “Grande Sertão: Veredas” diz: “no real da vida, as coisas acabam com menos formato, nem acabam. Melhor assim. Pelejar por exato, dá erro contra a gente. Viver é muito perigoso...”. Em sua exatidão característica, as narrativas da ciência sobre as biodiversidades não cessam de formatar a vida e os seres vivos. No entanto, que outras narrativas inacabadas não haveria no real da vida das biodiversidades reais ou imaginadas? Com o amparo de fragmentos textuais literários de diferentes autores, como Wilson Bueno, Gilles Eduard e Alessandro Boffa, a proposta da oficina é operar com a ficção e seguir no enlace dessa questão por meio da escrita. Para tanto, serão realizados exercícios de escrita para a construção de narrativas ficcionais. Também serão utilizadas algumas cenas de filmes como “Microcosmos” de Claude Nuridsany e Marie Pérennou. Um dos objetivos da oficina é escutar a voz de seres reais ou imaginados que há tempos permanecem silenciados pelas grandes narrativas científicas. O que teriam eles a dizer sobre suas vidas? Afinal, viver é muito perigoso.

4 - Linguagem cinematográfica: Frestas para discussões sobre o filme infantil Wall-E

Ministrantes: Ludmila Rodrigues Rosa (Mestre em Educação pela UFU. Orientadora Educacional – Prefeitura de Uberlândia); Aline Cristine Boaventura (Mestranda em Educação pela UFU. Educadora Infantil – Prefeitura Municipal de Uberlândia); Daniela Cristina de Cario Calaça (Mestranda em Educação pela UFU e graduada em Ciências Biológicas)

Descrição: A oficina tem como objetivo oportunizar espaços de discussões interdisciplinares sobre o Meio Ambiente por meio da exibição do filme de animação Wall-E, construindo diálogos sobre o longa-metragem e sua materialização social na cultura. Inicialmente, será abordado os dados do filme e uma breve reflexão de como esse artefato atua como produtor de saberes, construindo significados importantes na formação do sujeito. Posteriormente, a animação Wall-E será exibido na íntegra, com degustação de pipocas. Por fim, o longa-metragem será discutido pelos participantes, falando sobre suas compreensões e impressões, considerando as conexões entre naturezas e culturas. Os olhares e significados atribuídos sobre o artefato midiático são individuais, trazendo vários pontos de vista sobre o objeto, principalmente o cinema que é uma arte de representação que gera produções simbólicas, por isso será disponibilizado o espaço de diálogos sobre as interpretações dos integrantes.

 

5 - Cartografias Ecológicas na Arte
 

Ministrante: Antônio Almeida da Silva (Licenciado em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual do Mato Grosso do Sul (UEMS), Mestrado em Educação na Universidade de Sorocaba (UNISO) e doutorando na Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) e professor Assistente da Universidade Estadual de Feira de Santana (UEFS)

Descrição: Escolhemos diferentes produções artísticas contemporâneas que de certa forma tentam expressar em suas produções forças, convites, conexões de diferentes maneiras entre arte e natureza. Colecionamos, selecionamos e classificamos diferentes artistas e suas produções para pensar nos diferentes eco-arte-sistemas inventados pela relação entre arte e natureza. A presente oficina apresentará um panorama retrospectivo das diferentes abordagens da natureza na arte, destacando as mudanças de paradigmas ocorridas na arte e na ciências, para poder assim fazer um estudo de obras de artes contemporâneas que discutam a questão da natureza em suas diferentes abordagens, que oscilam entre os diferentes reinos (animal, vegetal e mineral), entre o orgânico e inorgânico. Dispomos os artistas e suas produções em uma cartografia (apresentada em forma de uma mandala), então traçamos alguns territórios comuns e incomuns que os diferentes artistas pudessem passar, habitar e saltar para um outro território arrastando e levando suas forças. Convidamos os cursistas a explorar diferentes e relações e possibilidades entre arte, natureza e ciências.

6 - Polinizando de forma divertida

Ministrantes: Bárbara Matos da Cunha Guimarães; Nicole Cristina Machado Borges (Graduadas em Ciências Biológicas pela UFU - Laboratório de Ecologia e Comportamento de Abelhas (LECA)

Descrição: Com o intuito de trabalhar o ensino sobre insetos e sobre polinização de forma lúdica tanto nas salas de aula, como em espaços não formais de Ensino, essa oficina tem o objetivo de trazer possibilidades de utilização de jogos, modelos e animais vivos, na prática de ensino. A oficina consistirá na apresentação de materiais didáticos utilizados no projeto “Ateliê STEM: A invasão das abelhas na escola” para trabalhar aspectos ligados ao modo de vida das abelhas e conceito e a importância da polinização. Serão produzidos: Modelo em EVA de uma abelha: adaptável a outros insetos; Flores em EVA: sobre a temática da polinização;

 

7 - Construindo uma Educação em Ciências com mais interatividade

Ministrante: Prof. Me. Gustavo Lopes Ferreira (Doutorando do Programa de Pós-graduação em Educação em Ciências PPGEduC/UnB)

Descrição: Nesta oficina será privilegiada a discussão e produção de materiais didáticos que são utilizados na Educação em Ciências, tanto em espaços formais quanto não formais de Educação. Para isto, junto aos participantes será feita a proposta de construção de materiais didáticos mais interativos, baseados em pressupostos advindos do estudo sobre esse assunto em museus de ciências. Os pressupostos utilizados serão: aspectos técnicos e físicos; aspectos estéticos; aspectos do conteúdo e aspectos interativos.  Ao final, esse esboço do material interativo será socializado e quem sabe, posteriormente, pode ser materializado em algum espaço de promoção de Educação em Ciências.

 

8 - Bordando Fotografias

Ministrante: Lívia dos Santos Chiovato (Bacharel em Artes Visuais pela Universidade Federal de Uberlândia)

Descrição: O bordado no papel requer alguns cuidados específicos, e a oficina terá como o objetivo principal a prática do bordado e responder algumas perguntas frequentes: Como é o processo para bordar no papel? Quais os pontos de bordado que se adequam à técnica? Qual papel é indicado para bordar? Qual tamanho do papel? Como não rasgar/amassar o papel? Todas essas perguntas serão respondidas na oficina. A fotografia será o suporte para o bordado e o instrumento para ampliar o olhar sobre a realidade. O objetivo é que a partir do real, o lado criativo e imaginário se evidencie.

 

9 - A abordagem de questões sociociotécnicas ou tecnocientíficas por meio de sequências didáticas fundamentadas na Teoria Ator-Rede

Ministrantes: Juliana Roberto de Oliveira (Mestranda em Ensino de Ciências- Universidade Federal de Ouro Preto – Minas Gerais); Prof. Dr. Fábio Augusto Rodrigues e Silva (Prof. Adjunto do DEBIO da UFOP)

Descrição: Conhecer e analisar os subsídios da teoria Ator-Rede e dos estudos CTS no que diz respeito à elaboração de sequências didáticas; Propor estratégias pedagógicas de estímulo ao trabalho com questões controversas

 

 

10 - Práticas pedagógicas baseadas em Neurociências para o Ensino de Ciências de alunos com Necessidade Educacionais Especias

Ministrante: Renata de Souza Capobiango Ferreira (Mestranda em Ensino de Ciências Universidade Federal de Ouro Preto – Minas Gerais); Profa. Dra. Luciana Hoffert Castro Cruz (Profª Adjunta do Depto de Ciências Biológicas da UFOP)

Descrição: Possibilitar a utilização de conceitos das Neurociências pelos professores, proporcionando um novo pensar metodológico compatíveis com as Políticas Públicas Inclusivas; Conhecer e analisar elementos conceituais sobre prática pedagógica inclusiva para o Ensino de Ciências, de forma a proceder a efetiva inclusão de alunos com Necessidade Educacionais Especiais; Propor estratégias pedagógicas complementares baseadas em Neurociência Cognitiva que facilitem o processso de ensino aprendizagem no Ensino de Ciências de alunos

 

11. Coleções botânicas: preparação e manejo

Ministrante: Profa. Dra. Rosana Romero (raduação em Biologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1988), mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (1993) e doutorado em Biologia Vegetal pela Universidade Estadual de Campinas (2000). Atualmente é professora associada II da Universidade Federal de Uberlândia. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Taxonomia de Fanerógamos, atuando principalmente nos seguintes temas: Flora de Minas Gerais: estudos das Melastomataceae principalmente do Complexo Serra da Canastra e da Cadeia do Espinhaço; Diversidade e Conservação do gênero Microlicia D. Don, Svitramia e Siphanthera e outros. Trabalhos de inventário das Melastomataceae em Serra Dourada e Parque Estadual dos Pireneus, e da tribo Melastomeae no estado de Goiás. Curadora do herbário HUFU e coordenadora do projeto de Digitalização das exsicatas e informatização das coleções do Herbarium Uberlandense (HUFU).

Descrição: Na presente oficina serão abordadas as técnicas de coleta de material botânico e herborização, bem com sua inclusão no acervo do herbário; coleções-tipo e sua relação com a criação de nomes das espécies; os métodos de inclusão das exsicatas no acervo, sua digitalização e disponibilização das imagens para a comunidade em geral, e o manejo das coleções botânicas e sua importância no estudo da diversidade brasileira. 

Apoio

Faculdade de Educação - FACED/UFU
Pró-reitoria de Extensão, Cultura e Assuntos Estudantis - PROEX/UFU
Pró-reitoria de Graduação - PROGRAD/UFU

Realização

Universidade Federal de Uberlândia - UFU
Tipo de evento: 
Natureza do evento: